POLÍTICA


Curadoria: Julian Rodrigues e VOTE LGBT.

Bitch better have my pink money: pink washing
e os limites da visibilidade
RODA DE CONVERSA
A despeito da onda conservadora, tá rolando um interesse crescente pela agenda da diversidade e da visibilidade LGBTI+ por grandes empresas, multinacionais, instituições, artistas influentes e mesmo pela grande mídia. O que isso significa? Até que ponto beneficia e até que ponto prejudica? Como jogar esse jogo?
#OQueÉPinkWashing O que representa este conceito?
#NadaVemDeGraça A publicidade pauta a cultura e as narrativas, e a gente já sabe que visibilidade/representatividade são importantes. Porém, como saber onde estamos nos metendo? Como essas práticas do mercado podem beneficiar e/ou prejudicar a comunidade LGBTI+? Como nos organizar para melhores negociações?
#DeNósParaNós Como celebridades não LGBTI+ podem atuar como aliades
sem se sobrepor às nossas vivências nem captar todo o orçamento?
#DeObjetoASujeito É legal quando somos escolhides para participar de
alguma campanha ou narrativa sobre diversidade, mas já pensou como seria se a
gente também escolhesse?
#DiversidadeDeQuem Se mulheres, negros e LGBTI+ são maioria, por que
nós é que somos “diversidade”?
Participantes
Samantha Almeida: Diretora de Talentos, Planejamento e Inovação. Responsável pela operação do Grupo Music2_Brasil.
Danilo Janjacomo: Publicitário, Diretor de Criação da JWT Brasil com 20 anos de experiência criando para grandes marcas no Brasil e Exterior.
Bruno Puccinelli: Antropólogo (Unicamp), trabalha com cidade, sexualidade, ativismo e mercado imobiliário.
Dan Novais: Content Strategist, Research & Insights.
Ariel Nobre (Mediação): É transvivo. Artista visual e consultor em diversidade.

LGBTI+ pós-eleições: não entre em pânico!
DEBATE
O momento político é complexo: assustadoramente autoritário, mas ao mesmo tempo com recorde de pessoas LGBTI+, mulheres e negres ocupando cargos no Legislativo. É hora de discutirmos o que tudo isso representa.
#LGBTISemMedo C#LGBTISemMedo Como fazer frente ao radicalismo antidemocrático?
Que outros aliados podem somar na promoção dos direitos humanos, de LGBTIs,
das mulheres, da população negra, da juventude? Quais as perspectivas de reconstrução da
ordem democrática? Como deve ficar a agenda LGBTI nos próximos anos?
#ExisteUmaLógica Eleitores de políticos anti-democráticos não são necessariamente
burros – há muitas lógicas por trás dessas escolhas, e muitas vezes essas lógicas também
incluem uma espécie de “negação do sistema”. Como entender essas lógicas e propor diálogos e
alternativas?
#NãoÉSóSobreCoerência Que outras narrativas podem ser instauradas no debate
público, para além do que é racional? Que emoções e desejos estão em jogo?
#OcuparAPolítica O que o recorde de candidaturas de pessoas LGBTI+ representou?
#GiroConservador Como a “politização reativa” do campo religioso por oposição aos
avanços de direitos sexuais se articula com outros atores reacionários em âmbito internacional?
Que reações têm se configurado no próprio campo religioso a partir desse cenário? Como esse
giro vai continuar impactando nossas vidas?
Participantes participants
Lucas Bulgarelli: Antropólogo, pesquisador e doutorando pela USP.
Érica Azeviche: Pesquisadora de culturas afro-ameríndias, ekedi de Obá, cantora, produtora no Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo, membra da Revolta da Lâmpada e mãe.
Igor Pinheiro: Membro do Coletivo VoteLGBT e da plataforma MeRepresenta.
Érika Hilton: Tranvestigenere, ativista, estudante de Gerontologia na UFSCar e deputada estadual eleita pela Bancada Ativista em SP.

Reunião de família: debate entre várias gerações
e olhares do movimento social LGBTI+
DEBATE
Para uma ação LGBTI+ organizada, que faça frente ao autoritarismo e promova coalizões potentes, chegou a hora: é preciso juntar várias gerações, olhares e aspectos do movimento social LGBTI+ na mesma mesa. De organizações institucionais aos coletivos artísticos, dos grupos que pautam política pública aos que ocupam a rua, dos que priorizam a pauta LGBT aos que atuam nas intersecções. Vamos debater?
#NoMeuTempo… Quais aprendizados as gerações mais experientes podem transmitir sem
que caiam na armadilha do carteiraço e do autoritarismo?
#InventandoARoda O que 9inhas e 9inhos podem trazer de inovação sem invalidar as
experiências anteriores?
#Coalizões Quais articulações podem ser mobilizadas para tornar mais potente a luta pela
promoção dos direitos sexuais e reprodutivos, da igualdade racial, da pluralidade religiosa, dos
direitos sociais?
#AtivismosPlurais Que outras formas de fazer ativismo existem hoje, além da
institucional? Como todas essas formas, modelos e gerações têm coexistido? Eles podem se
potencializar?
#Artivismos O que podem ser? Como podem operar também dentro da lógica institucional?
#Intersecções Quais as potencialidades e os limites de priorizar a luta por direitos para
LGBTI+ ou de lutar por direitos na articulação com outras diferenças/desigualdades sociais?
#ContraACriminalizaçãoDoMovSocial Como podemos produzir coalizões para
impedir que nossa luta seja criminalizada?

Participantes
Marisa Fernandes: Mestre em História Social pela USP e pesquisadora do Coletivo de Feministas Lésbicas.
Pisci-Bruxa: Bixa que (sobre)vive com AiD$, membro da coletiva Loka de Efavirenz e da articulação política da Rede de Jovens de São Paulo Positivo. Faz mestrado em Antropologia Social na USP.
Nelson Matias Pereira: Cofundador da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.
Gustavo Bonfiglioli (Mediação): Bicha, ornitorrinca, comunicadora, ativista na Revolta da Lâmpada e sócia-fundadora da Pajubá, Diversidade em Rede.

Tudo que você precisa saber sobre políticas
públicas LGBTI+ no Brasil
AULONA
Nesse novo cenário ultra-conservador, em que a LGBTfobia virou fato corriqueiro, temos que nos
preparar: o gostinho que tivemos de Políticas Públicas LGBTI+ nesses últimos anos pode virar
lembrança. Mas esse é o momento de entender quais são elas, quais estão em jogo e como lutar para mantê-las de alguma forma. Porque, verdade seja dita: quem não estuda Políticas Públicas a fundo às vezes fica boiando nas discussões. Mesmo entre ativistas, ainda falta uma troca maior de conhecimento básico sobre isso. Se você tem interesse em entender melhor o que está em jogo nas PPs LGBTI+, não perca essa aula!
#AulaDeHistórya O que são políticas públicas, o que é o Plano Nacional de Direitos
Humanos (PNDH), como se construiu a luta por PPs LGBTI+ nos últimos anos?
#OQueTaTendo Quais são os recursos financeiras para PPs funcionarem?
#OQueEstáEmRisco Como projetos como Escola sem Partido e Estatuto da Família
podem ameaçar nossas PPs?
#ContraOSucateamento Quais são as PPs que existem na prática, mas não recebem
verba para um bom funcionamento?
Participantes
Julian Rodrigues: Coordenação Nacional do MNDH (Movimento Nacional de Direitos Humanos).
Simmy Larrat: Presidenta da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos.
Toni Reis: Diretor Presidente da Aliança Nacional LGBTI.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *